(11) 5575.0769 (11) 96066-8846

cursao@cursaosantarita.com.br

Prefeitura de Mauá - Professor de Educação Básica I

Prefeitura de Mauá - Professor de Educação Básica I

Prefeitura de Mauá - Professor de Educação Básica I

Carga Horária: 64 horas = 08 encontros de 08 horas

Parcelamento:


(opção exclusiva para matrícula presencial no polo)


À vista (dinheiro ou cheque) R$ 990,00    


5 cheques x R$ 228,00 (R$ 1.140,00)

Pagamento com cartão de crédito ou débito: R$1.140,00 (Pagamento processado pelo Pagseguro - Em caso de parcelamento em mais de 5x pode haver acréscimo)


Português - 16h


Conhecimentos Gerais


Mod        Item Edital             


1              BRASIL, 1988. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Artigos 5°, 37 a 41, 205 a 214, 227 a 229.   


1              BRASIL, 1996. Lei Federal n.° 9.394, de 20/12/1996 - Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional.           


1              BRASIL, 1990. Lei Federal n.° 8.069, de 13/07/1990 - Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Artigos 53 a 59 e 136 a 137. 


1              Lei Orgânica do Município de Mauá - artigos 191 a 213    


1              Lei Complementar n.º 36, de 30 de dezembro de 2019 e seus regulamentos - Estabelece o Estatuto do Magistério e o Quadro de Apoio ao Magistério do Município de Mauá e dá outras providências.              


1              Lei Complementar n.º 01, de 08 de março de 2002 e suas alterações e seus regulamentos - Estabelece o Estatuto dos Servidores Públicos do Município de Mauá.         


1              MAUÁ. RESOLUÇÃO SE N. 02/2020 - Dispõe sobre o módulo de profissionais nas classes da Rede Municipal de Ensino.      


1              MAUÁ. RESOLUÇÃO SE N. 15/2017 - Dispõe sobre módulos de servidores readaptados que atuam na Rede Municipal de Ensino de Mauá.     


1              MAUÁ. RESOLUÇÃO SE Nº 16/2017 – Dispõe sobre parâmetros do número de alunos nas classes da Rede Municipal de Ensino e módulo de Auxiliares de Desenvolvimento Infantil – ADI.             


2              BRASIL, 2010. Resolução n.° 04/10 - Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica.         


2              BRASIL, 2001. Resolução CNE/CEB nº 2/2001: Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 


2              BRASIL, 2010. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. - Brasília : MEC, SEB, 2010.           


2              BRASIL, 2008. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Indagações sobre currículo. Brasília, 2008.  


2              BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.  


2              MAUÁ, 2018. Currículo Municipal da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Mauá. 


2              MAUÁ. DELIBERAÇÃO/CME n.º 05 e 15 - Diretrizes para a Educação de Jovens e Adultos nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental no Sistema Municipal de Educação de Mauá.     


2              MAUÁ. DELIBERAÇÃO/CME N.º 08/2018 - Diretrizes da Educação Especial para a rede municipal de ensino de Mauá.         


3              AZANHA, José Mário Pires. Democratização do ensino: vicissitudes da ideia no ensino paulista. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 335-344, maio/ago. 2004.         


3              CORTELLA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. 14. ed., São Paulo, Cortez, 2011.        


3              FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.


3              FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.


3              LA TAILLE, Yves.DANTAS, Heloisa e OLIVEIRA, Marta Kohl de, Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 24. ed. São Paulo: Summus, 1992.             


3              SAVIANI, Dermeval. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas; Autores Associados, 2010.     


4              CASTRO, Jane Margareth; REGATTIERI, Marilza (Org.). Interação escola família: subsídios para práticas escolares. Brasília: UNESCO, MEC, 2010.           


4              HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução: Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1998           


4              LUCKESI, C. C. Avaliação em educação: questões epistemológicas e práticas. São Paulo: Cortez, 2018.     


4              VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. 29. ed. Campinas: Papirus, 2011.               


4              ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução de Ernani F. F. Rosa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1998.          


Conhecimentos Específicos


5              BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade da educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2018.


5              BRASIL. Ministério da Educação. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEB, 2009.


5              HOFFMANN. Jussara. Avaliação e Educação Infantil: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança. Porto Alegre: Mediação, 2014.


5              SIAULYS, Mara O. de Campos. Brincar para todos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.


5              WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.


5              FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 25. ed., São Paulo: Cortez, 2010.


6              COLOMER, Tereza; CAMPOS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. São Paulo: Artmed, 2002.


6              GOBBI, Marcia Aparecida; PINAZZA, Mônica Appezzato. Infância e suas linguagens. São Paulo: Cortez, 2014. caps. 2, 4 e 5.


6              LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.


6              LERNER, Delia; SADOVSKY, Patrícia. O sistema de numeração: um problema didático. In: PARRA, Cecília (Org.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 73-155.


6              SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.


6              TEBEROSKY, Ana; COLOMER, Teresa. Aprender a ler e a escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2002.


Polo Mauá – Início dia 21/03/2020 até 16/05/2020 (vide turma)

Aulas aos sábados, 01 domingo e feriado de 01/05 das 8 às 17h.

Cronograma das aulas:

(Previsão de datas – havendo necessidade será agendado dois domingos).

Turma 1

Datas: 21/03, 28/03, 04/04, 18/04, 19/04 (domingo a se confirmar), 25/04,  01/05 (feriado – confirmado), 02/05, 09/05.

08 encontros de 08 horas cada.

Sendo: 16 horas de Português, 32 horas de Conhecimentos Gerais e 16 horas de Conhecimentos Específicos.

Turma 2

Datas: 28/03, 04/04, 18/04, 19/04 (domingo), 25/04, 01/05 (feriado), 02/05, 09/05.
08 encontros de 08 horas cada.
Sendo: 16 horas de Português, 32 horas de Conhecimentos Gerais e 16 horas de Conhecimentos Específicos.
Polo Mauá – Início dia 21/03/2020 até 16/05/2020 (vide turma)
Aulas aos sábados, 01 domingo e feriado de 01/05 das 8 às 17h.
Cronograma das aulas:
(Previsão de datas – havendo necessidade será agendado dois domingos).


Polo de Santo André
Turma 1
Datas: 28/03, 04/04, 18/04, 19/04 (domingo), 25/04,  01/05 (feriado – confirmado), 02/05, 09/05.
08 encontros de 08 horas cada.
Sendo: 16 horas de Português, 32 horas de Conhecimentos Gerais e 16 horas de Conhecimentos Específicos.

NÃO REPOMOS AULA POR FALTA DO ALUNO.

Para dar um Upgrade em seu futuro

Inscreva-se